Perfil da negação pós-verbal entre jovens sulistas: dados do ALiB

Rerisson Cavalcante de Araújo

Resumo


Resumo: Este trabalho conjuga preocupações sintáticas e discursivas com questões geolinguísticas. Descreve a negação no Sul do Brasil, em comparação com as propriedades identificadas nos dialetos do Nordeste/Sudeste e de Portugal (CAVALCANTE, 2007, 2012). A literatura anterior considerava (i) sentenças com [não VP não] e [VP não] como inovações do português brasileiro (PB) em relação ao europeu (PE), oriundas de contato linguístico (FONSECA, 2011; CARENO; PETTER, 1994; LUCCHESI, 2001); (ii) e [VP não] como peculiaridade nordestina, ausente no Sul/Sudeste. Trabalhos mais recentes mostram negativas pós-verbais no PE, embora com valores distintos (MARTINS, 2010; CAVALCANTE, 2012, p. 57-60; LAMBERTI, 2014); atestam [não VP não] no Sul/Sudeste e [VP não] no Sudeste (CAMARGOS, 2000; ALKMIM, 1999; 2002). Mas a distribuição e o valor de [VP não] no Sul não estão claros: a estrutura parece ausente do Rio Grande do Sul (RS) (GOLDNADEL et al., 2013), mas ao menos parcialmente presente no Paraná (PR) e Santa Catarina (SC) (cf. FONSECA, 2009). O trabalho busca mapear essas estruturas nos inquéritos do ALiB da região Sul, para detectar onde aparecem e descrever as funções discursivas e os tipos sintático-semânticos que codificam. Busca verificar as hipóteses: (i) [VP não] está ausente no RS; (ii) mas presente em partes de SC e PR; (iii) quando ocorre, a estrutura [não VP não] tem valor enfático, como no PE, ou apenas anafórico, como no Nordeste e Sudeste (CAVALCANTE, 2012, p. 28-133); (iv) o ‘não’ pós-verbal é restrito a declarativas matrizes como no PE ou ocorre em outros tipos oracionais.

Palavras-chave: negação sentencial; dialeto sulista; sintaxe; semântica; dialetologia.

Abstract: This paper combines syntactic-pragmatic concerns with dialectal issues. It describes sentential negation in southern Brazil, in comparison with properties identified in Northeast/Southeast dialects and in Portugal (CAVALCANTE, 2007, 2012). Previous literature on the phenomenon considered (i) sentences with [neg VP neg] and [VP neg] as innovations in Brazilian Portuguese (BP), originating from linguistic contact (FONSECA, 2011; CARENO; PETTER, 1994; LUCCHESI, 2001), absent in European Portuguese (EP); (ii) and [VP neg] as a northeastern peculiarity, absent in the south/southeast Brazil. But later works attested (a) post-verbal negatives in EP, although with different values (MARTINS, 2010; CAVALCANTE, 2012, p. 57-60; LAMBERTI, 2014); (b) and [not VP not] in the south/southeast; (c) and [VP not] in the southeast (CAMARGOS, 2000; ALKMIM, 1999; 2002). But the distribution and value of [VP neg] in the southern region are not clear: this structure seems to be absent in the state of Rio Grande do Sul (RS) (GOLDNADEL et al., 2013), but at least partially present in Paraná (PR) and Santa Catarina (SC) (FONSECA, 2009). The paper aims to map these structures in the ALiB’s surveys applied in southern region syntactic isoglosses and to describe the discursive functions and the syntactic-semantic types that they codify, in order to test the following hypotheses: (i) [VP neg] is absent in RS; (ii) but present in parts of SC and PR; (iii) when it occurs, the [neg VP neg] has an emphatic value as in EP or only an anaphoric one, as in the northeast and southeast states (CAVALCANTE, 2012, p. 28-133); (iv) the post-verbal negative marker is restricted only to declarative matrix sentences as in EP or occurs in other sentential/illocutionary types.

Keywords: sentential negation; southern dialect; syntax; semantics; dialectology.


Palavras-chave


negação sentencial; dialeto sulista; sintaxe; semântica; dialetologia; sentential negation; southern dialect; syntax; semantics; dialectology.

Texto completo:

PDF

Referências


ALKMIM, Mônica G. R. Ação de dois fatores externos no processo de mudança em negativas sentenciais no dialeto mineiro. In: CONGRESSO NACIONAL DA ABRALIN, II., 1999, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 1999.

ALKMIM, Mônica G. R. Negativa pré e pós-verbal: implementação e transição. In: COHEN, Maria Antonieta; RAMOS, Jânia. Dialeto mineiro e outras falas. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2002.

CAMARGOS, Marcelo. A negativa: uma análise qualitativa. In: Congresso de CONGRESSO DE CIÊNCIAS, LETRAS E ARTES, V., 2000, Ouro Preto. Anais [...]. Ouro Preto: Universidade Federal de Ouro Preto, 2000. Disponível em: http://www.ufop.br/ichs/conifes/anais/LCA/clca03.htm. Acesso em: 30 jul. 2005.

CARENO, Mary Francisca do; PETTER, Margarida. Observação sobre o uso da estrutura negativa. Papia, Brasília, v. 3, n. 2, p. 98-108, 1994.

CAVALCANTE, Rerisson. Construções negativas no português falado em Salvador. Hyperion, Salvador, n. 7, 2004. Disponível em: http://www.hyperion.ufba.br/revista_7_04.htm. Acesso em: 10 maio 2018.

CAVALCANTE, Rerisson. Gramática gerativa e dialetologia: dos princípios e parâmetros aos atlas sintáticos. In: CARVALHO, Danniel da Silva; TEIXEIRA DE SOUSA, Lílian (org.). Gramática Gerativa em perspectiva. 1. ed. São Paulo: Blucher, 2018a. p. 187-208.

CAVALCANTE, Rerisson. Mas o que é ênfase, afinal? In: JORNADA NACIONAL DO GELNE, XXV., 2014, Natal. Anais [...]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2014.

CAVALCANTE, Rerisson. Negação anafórica no português brasileiro: negação sentencial, negação enfática e negação de constituinte. 2012. Tese (Doutorado em Linguística) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

CAVALCANTE, Rerisson. Negação pós-verbal no português afro-brasileiro: análise descritiva e teórica de dialetos rurais de afro-descendentes. 2007. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal da Bahia. 2007.

CAVALCANTE, Rerisson. Teoria da gramática e dialectologia do português brasileiro. Confluência, Rio de Janeiro, n. 54, p. 244-268, 1o sem. 2018b.

CUNHA, Maria Angélica Furtado da. Gramaticalização dos mecanismos de negação em Natal. In: MARTELOTTA, Mario Eduardo; VOTRE, Sebastião Josué; CEZÁRIO, Maria Maura (org.). Gramaticalização no português do Brasil. 1 ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 167-189.

CUNHA, Maria Angélica Furtado da. O modelo das motivações competidoras no domínio funcional da negação. DELTA: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 1-30, 2001. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-44502001000100001

DI TULLIO, Ángela. Palabras negativas en contextos enfáticos: nada, ningún. In: CONGRESO DE LA SOCIEDAD ARGENTINA DE LINGUÍSTICA, XI., 2008. Santa Fé. Santa Fé: Universidad Nacional del Litoral, abr. 2008. (Comunicação oral).

FONSECA, Hely Dutra Cabral da. A noção default e a sintaxe da negação. Estudos da Lingua(gem), Vitória da Conquista, v. 7, n. 2, p. 109-132, dez. 2009.

FONSECA, Hely Dutra Cabral da. Línguas africanas e a estrutura V+NEG no português do Brasil e d’Angola. Papia, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 195-208, 2011.

GOLDNADEL, Marcos; LIMA, Luana Santos; BREUNIG, Gustavo; ESQUIVEL, Natália Alícia; LUZ, Joana Paim. Estratégias alternativas de negação sentencial na região sul do Brasil: análise da influência de fatores pragmáticos a partir de dados do projeto VARSUL. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 21, n. 2, p. 35-74, jul./dez. 2013.

GOMES, Luma. Sintaxe e semântica das perguntas polares do português e do inglês (2ª fase). Salvador: Universidade Federal da Bahia, ago. 2016. (Relatório de pesquisa científica).

LAMBERTI, Luana. Motivações pragmáticas para o uso da dupla negação: um estudo do fenômeno no português europeu. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Letras – Língua Moderna – Inglês.) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

LUCCHESI, Dante. As duas grandes vertentes da história sociolinguística do Brasil. DELTA: Documentação de Estudos em Linguística Teórica e Aplicada, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 97-132, 2001. Doi: https://doi.org/10.1590/S0102-44502001000100005

MARTINS, Ana Maria. Negação metalinguística (lá, cá e agora). In: BRITO, Ana Maria (ed.). In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE LINGUÍSTICA, XXV., 2010, Lisboa. Actas... Lisboa: APL. 2010. p. 567-587.

MARTINS, Ana Maria. The Portuguese Answering System: Affirmation, Negation and Denial. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE LINGUÍSTICA HISTÓRICA, II., 2012, São Paulo. São Paulo: Universidade de São Paulo, 8-10 fev. 2012. (Minicurso).

PINTO, Clara. Negação Metalinguística e Estruturas com nada no Português Europeu. 2010. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2010.

PROJETO Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2012. Disponível em: https://twiki.ufba.br/twiki/pub/Alib/RedePontos/mapa1-sul.jpg. Acesso em: 10 maio 2018.

PROJETO Atlas Linguístico do Brasil (ALiB). Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2018. Disponível em: https://alib.ufba.br/. Acesso em: 10 maio 2018.

RONCARATI, Claudia. A negação no português falado. In: MACEDO, Alzira Tavares de; RONCARATI, Claudia; MOLLICA, Maria Cecília (org.). Variação e discurso. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. p. 97-112.

SCHWENTER, Scott. The Pragmatics of Negation in Brazilian Portuguese. Lingua, [S.l.], v. 115, n. 10, p. 1427-1456, 2005. Doi: https://doi.org/10.1016/j.lingua.2004.06.006

SIMIONI, Leonor; CAVALCANTE, Rerisson. “Capaz” as an Emphatic Negative Marker in Gaúcho Brazilian Portuguese. In: ENCONTRO INTERNACIONAL DE SINTAXE E SEMÂNTICA & INTERFACES, III., 2018, Florianópolis. Abstracts [...]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2018. p. 35-36.

SOUSA, Arivaldo Sacramento. As estruturas de negação em uma comunidade rural afro-brasileira: Helvécia - BA. Revista Hyperion, Salvador, n. 7, p. 114-120, 2004.

ZANUTTINI, Raffaella. Sentential Negation. In: BALTIN, Mark; COLLING, Chris (ed.). The Handbook of Contemporary Syntactic Theory. Oxford: Blackwell, 2001. p. 511-535.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2238-3824.0.0.%25p

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Rerisson Cavalcante de Araújo

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.