Em Tese

A Em Tese é um periódico eletrônico quadrimestral do Programa de Pós-graduação em Estudos Literários da UFMG dedicado a divulgar produções e pesquisas nas áreas de Estudos Literários e de Artes.

A revista aceita textos inéditos – artigos, resenhas, relatos de ensino e traduções – que contemplem as áreas de Teoria da Literatura, Literatura Brasileira, Literaturas Clássicas e Medievais, Literaturas Estrangeiras Modernas, e Literatura Comparada.

Notícias

 

TEATRO BRASILEIRO: PERSPECTIVAS CRÍTICAS & TEÓRICAS

 

 

O teatro brasileiro está marcado por uma extensa capacidade criadora, abrangendo desde as criações próprias e traduções literárias, passando pelos textos de crítica publicados em jornal e chegando às teses ou dissertações acadêmicas, além de muitos outros caminhos. Entre essas possibilidades, há a apresentação de diversas nuances acerca da forma teatral, por vezes entendida como mais adequada aos conteúdos desenvolvidos nas composições dramáticas, por vezes entendida como desajustada (por qualquer motivo que seja). A revista Em Tese propõe publicar um dossiê com artigos que analisem perspectivas críticas & teóricas suscitadas pelo teatro brasileiro e pelas traduções do teatro universal produzidas em língua portuguesa, seja no estudo da dramaturgia de um único autor; seja nas comparações entre as obras teatrais de vários escritores; seja nos cotejamentos entre as produções dos teatros nacional e estrangeiro. A focalização permanece sobretudo nos conceitos operativos relacionados ao espaço dramático, se restrito à sala de estar; se aberto às variações de ambiente; se arquitetado em lugares inusitados, como os corpos humanos ou os arquivos da memória. Também ao tempo construído nas obras teatrais, se circunscrito a poucas horas; se extrapolando dias, meses e anos; se não pontuando tais definições ou se as desfigurando de modo ambíguo. E finalmente ao gênero dramático, se preocupado com as divisões estanques entre os diversos gêneros (comédia, tragédia, melodrama, ópera, opereta, musical, farsa, esquete, teatro didático e infantil, etc.); se interessado pelas oscilações entre os estilos; se buscando outros e novos modelos, até mesmo líricos e épicos.

O prazo para submissões é até 10/12/2021.

Vale lembrar que as seções Ensino de Literatura; Teoria, Crítica Literária e Outras Artes e Mídias; Tradução e Edição; Resenhas e Em Tese recebem submissões em fluxo contínuo sobre temas que não necessitam estar relacionados ao tópico do dossiê.


 
Publicado: 2021-08-05
 

Literatura e silêncio: investigações no entorno do não dito

 

 

Texto-imagem: Principípio de Raciocínio (1975) de Ana Hatherly

 

Este dossiê é um convite a pensar o silêncio como um elemento que cerca e constitui as linguagens e, consequentemente, as obras literárias. Na literatura, o silêncio pode ganhar e gerar várias figuras e desfigurações. Ele é o infinito, que se situa nas inacabáveis possibilidades do não dito, mas é também o silêncio aquilo que reside nos espaços entre as palavras, na separação dos versos e estrofes de um poema e dos parágrafos e capítulos de um texto em prosa. Tal como as pausas fazem parte da música, o silêncio é uma matéria constituinte da literatura, pois ele possibilita que se produzam relações entre as palavras. Na poesia visual, o silêncio se instala, por exemplo, nos significativos espaços em branco que se proliferam ao longo do poema-partitura “Um lance de dados jamais abolirá o acaso”, de Mallarmé, assim como na poesia concreta dos irmãos Campos, na ilegibilidade críptica dos texto-imagens de Ana Hatherly e em tantos outras obras. A literatura, ainda que seja escrita com o silêncio, é muitas vezes o meio no qual se investigam e se produzem estratégias para driblar o silenciamento estrutural promovido pelas guerras, ditaduras e políticas genocidas. A literatura de testemunho, consciente do silêncio que a permeia, se põe diante do que não se pode narrar, lançando o olhar sobre o apagamento sistemático que constitui nossos repertórios. O silêncio então pode ser pensado como elemento no qual articulam-se diversos significados, seja a partir dos aspectos formais que incorporam as obras literárias, das questões sociais e políticas inscritas sob regimes de silenciamento, do apagamento presente na escrita da memória, das poéticas que se desenvolvem na contracorrente dos discursos hegemônicos ou de outros diversos aspectos que levam a literatura a recriar continuamente os limites da linguagem.

O prazo para submissões é até 10/10/2021.

Vale lembrar que as seções Ensino de Literatura; Teoria, Crítica Literária e Outras Artes e Mídias; Tradução e Edição; Resenhas e Em Tese recebem submissões em fluxo contínuo sobre temas que não necessitam estar relacionados ao tópico do dossiê.

 
Publicado: 2021-06-18
 
Outras notícias...

v. 27, n. 1 (2021): A(s) cidade(s) na literatura brasileira


Capa da revista
Capa de Priscila Justino a partir de fotografia de Gilmar Soares. A imagem original faz parte do texto "29 paralelepípedos", publicado na seção Poéticas deste mesmo número.