Translações no Facebook: a controvérsia 'Galo Machista'!? nas páginas de torcidas organizadas

Carlos d'Andréa, Leonardo Melgaço, Roberta Firmino

Resumo


O ponto de partida deste trabalho é a controvérsia em torno da exploração do corpo feminino e do machismo no futebol desencadeada pelo desfile de lançamento do novo uniforme do Clube Atlético Mineiro, em fevereiro de 2016. Nosso objetivo do artigo é mapear e discutir as translações entre torcedores e demais atores nas páginas do Facebook de cinco torcidas organizadas do time. Mais especificamente, nos interessa observar, através da extração e visualização de rastros digitais extraídos do Facebook, como a controvérsia “Galo Machista"!? desencadeou a formação de agrupamentos, oposições, alianças etc. entre usuários/torcedores envolvidos nas discussões on-line. Partindo da abordagem da Teoria Ator-Rede, nos apropriamos de conceitos como translação e controvérsia, que são discutidos a partir da ambiência sociotécnica do Facebook e das especificidades das torcidas organizadas. Após uma análise quantitativa das postagens, detalhamos as discussões desencadeadas por uma "nota de repúdio" ao desfile (torcida Galo Marx) e por uma peça de apoio à patrocinadora (Galo Metal).


Palavras-chave


Futebol; Controvérsia; Machismo; Facebook; Métodos digitais.

Texto completo:

PDF

Referências


BRUNO, Fernanda. Rastros digitais sob a perspectiva da teoria ator-rede. Famecos, Porto Alegre, vol. 19, n. 3, set.-dez. 2012, p. 681-704.

CALLON, Michel. Some Elements of a Sociology of Translation: Domestication of the Scallops and the Fishermen of Saint Brieuc Bay. In: LAW, John (org). Power, Action and Belief: a new Sociology of Knowledge?. Londres: Routledge and Kegan Paul, 1986, p. 196-233.

CALLON, Michel; LASCOUMES, Pierre; BARTHE, Yannick. Acting in an uncertain world: an essay on technical democracy. Graham Burchell, Massachusetts, MIT Press, 2011.

CAMPOS, Elen. Nota de repúdio: machismo em evento do Galo. UOL. Acesso em: 19 ago. 2016. Disponível em: https://goo.gl/QUa0Xg.

COSTA, Leda Maria da. O que é uma torcedora? Notas sobre a representação e autorrepresentação do público feminino de futebol. Esporte e Sociedade, Rio de Janeiro, vol. 2, n. 4, nov.,2006-fev. 2007, p. 1-31.

FRANZINI, Fábio. Futebol é “coisa para macho”? Pequeno esboço para uma história das mulheres no país do futebol. Revista Brasileira de História, São Paulo, vol. 25, n. 50, dez. 2005, p. 315-328.

FREIRE, Letícia de Luna. Seguindo Bruno Latour: notas para uma antropologia simétrica. Comum, Rio de Janeiro, vol. 11, n. 26, jan.-jun. 2006, p. 46-65.

GERLITZ, Carolin; HELMOND, Anne. The like economy: Social buttons and the data-intensive web. New media & society, vol. 8, n. 15, dez. 2013, p. 1348–1365.

JACOMY, Mathieu; VENTURINI, Tommaso; HEYMANN, Sebastien; BASTIAN, Mathieu. ForceAtlas2, a Continuous Graph Layout Algorithm for Handy Network Visualization Designed for the Gephi Software. Califórnia, PLOS ONE, vol. 9, n. 6, jun. 2014.

LATOUR, Bruno. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Gilson Cesar Cardoso de Sousa, Salvador – São Paulo: Edufba – Edusc, 2012.

LEMOS, André. A comunicação das coisas: teoria ator-rede e cibercultura. São Paulo: Annablume, 2013.

MARRES, Noortje. Why Map Issues? On Controversy Analysis as a Digital Method. Science Technology Human Values, vol. 40, n. 5, set. 2015, p. 655-686.

MARRES, Noortje; MOATS, David. Mapping Controversies with Social Media: The Case for Symmetry. Social Media + Society, vol. 1, n 2, jul.-dez. 2015, p. 1-17.

PINTO, Mauricio Rodriguez; ALMEIDA, Marco Bettine. As torcidas queer em campo: a emergência de grupos que questionam a homofobia e o machismo no futebol. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, Belo Horizonte, vol. 1, n. 2, ago. 2014, p.105-116.

RIEDER, Bernhard. Studying Facebook via Data Extraction: The Netvizz Application. WebSci’13, França, vol. , n. mai./2013, p. 346-355.

ROGERS, Richard. Digital Methods for Web Research. In: SCOTT, Robert; KOSSLYN, Stephen. Emerging Trends in the Social and Behavioral Sciences. Chichester, SAGE Publications, 2015, p. 1-18.

ROGERS, Richard; SÁNCHEZ-QUERUBIN, Natalia; KIL, Aleksandra. Issue Mapping for an Ageing Europe. Amsterdam: Amsterdam University Press, 2015.

SILVA, Silvio. Ricardo da. Torcedores Organizados em Belo Horizonte. In: SILVA, Silvio; DEBORTOLLI, José Alfredo; SILVA, Tiago Felipe da (orgs). O Futebol nas Gerais. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2012, p. 25-50.

TOLEDO, Luiz Henrique. Políticas da corporeidade: sociabilidade torcedora entre 1990-2010. In: HOLLANDA, Bernardo Borges Buarque de; MALAIA; João M. C; MELO, Victor Andrade de (orgs). A torcida brasileira. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012, p.122-158.

VENTURINI, Tommaso. Diving in magma: how to explore controversies with actor-network theory. Public Understanding of Science, Chichester, vol. 19, n. 3, maio 2010, p. 258-273.

VENTURINI, Tommaso; LATOUR, Bruno. The Social Fabric: Digital Traces and Quali-quantitative Methods. In: Proceedings of Future En Seine. França: Cap Digital, 2009, p. 87-104.

PÁGINAS DO FACEBOOK:

Galo Marx. https://goo.gl/lBWk8E.

Galo Queer: https://goo.gl/0i2Nk1.

Movimento 105 Minutos: https://goo.gl/EsoG1E.

Torcida Organizada Galo Metal. https://goo.gl/sG3JKj.

Torcida Organizada Galoucura. https://goo.gl/pZkgxr.




DOI: http://dx.doi.org/10.17851/2526-4494.2.1.103-126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


ISSN: 2526-4494


Licença Creative Commons

Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.